CONFEDERAÇÃO NACIONAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E DOS EMPREENDEDORES INDIVIDUAIS

NOTÍCIA

Imprensa abre espaço para estudo do impacto da pandemia de coronavírus nos Pequenos Negócios

O Sebrae fez estudo sobre o impacto da pandemia nos pequenos negócios. Em 2021 a situação piorou.

Veículos de comunicação tem pautado estudo do Sebrae sobre o impacto da pandemia nas micro e pequenas empresas. O estudo demostram que de cada 10 empresas, seis faturaram menos em 2020 do que em 2019.

Em 2021, a situação piorou. Segundo a pesquisa, pela primeira vez houve uma interrupção na lenta recuperação que o Sebrae vinha observando ao longo do ano passado.
‘Em abril de 2020 registramos uma queda de 70% no faturamento e isso foi se recuperando ao longo dos meses, até chegar a 34% em novembro. Na última pesquisa, referente ao início de março, a queda no faturamento foi para 40%. Neste mês deve ser ainda pior’, afirma Alberto Vallim, analista de competitividade do Sebrae.

Luta pela sobrevivência

A Folha de São Paulo publicou que o recrudescimento da pandemia atingiu em cheio pequenas e médias empresas que já estavam muito debilitadas financeiramente depois de um ano enfrentando as medidas restritivas impostas na tentativa de conter a contaminação por Covid-19.

Segundo dados da 10ª edição da pesquisa “O Impacto da pandemia de coronavírus nos pequenos negócios”, feita pelo Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) desde o início da crise sanitária, 6 em cada 10 empresas tiveram no ano passado um faturamento anual pior que o de 2019.

Em 2021, a situação piorou. Segundo a pesquisa, pela primeira vez houve uma interrupção na lenta recuperação que o Sebrae vinha observando ao longo do ano passado.

Para os empresários, o cenário beira o desespero. Fabio Amorim, proprietário da Bolinha Studios, empresa fundada há 15 anos para a fabricação de fantasias e mascotes para feiras, eventos e festas, teve que se reinventar.

“Está bem desesperador. Nunca vivemos nada parecido. Me considerava bastante pessimista de achar que 2020 estava o ano inteiro contaminado. Mas estou achando que neste ano também está. Até pela demora da liberação de ajuda do governo”, afirma ele.

Amorim diz que não conseguiu no ano passado acesso ao Pronampe (Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte), iniciativa que libera crédito de baixo custo a pequenos empresários, e nenhuma das outras linhas de crédito oferecidas pelo governo.

“Não conseguimos nenhuma. O Pronampe bateu no banco. Tive que recorrer a empréstimo normal, com juros altos, e vamos ter que pegar mais neste ano. Não existe facilidade sem garantia. O banco pede o faturamento dos últimos 12 meses, e o meu foi praticamente zero”, diz ele.

Na pesquisa do Sebrae, a extensão das linhas de crédito é a medida governamental mais importante para 2021, apontada por 45% das empresas que responderam ao questionário. Em segundo lugar, citado por 26% dos entrevistados, está a extensão do auxílio emergencial.

A falta de crédito e de perspectiva obrigou Amorim a demitir todos os seus 15 funcionários da fábrica de fantasia.

“Nosso negócio é juntar pessoas, e isso não pode acontecer, mas não tem muito o que fazer. Por isso, estamos migrando para o online. Tínhamos a ideia de ficar velhinhos e ensinar as nossas técnicas, mas acabamos adiantando esse processo e vamos lançar cursos online. O que era um projeto para a aposentadoria será o nosso negócio central”, diz ele.

Ele admite que se entristece de ter que ensinar suas técnicas para os concorrentes, mas afirma que ficou sem saída.

“Somos uma pequena empresa, e nesse ramo é normal que as pessoas guardem o conhecimento. Mas nos encontramos no meio disso tudo, nosso faturamento, que era cerca de R$ 100 mil por mês, agora praticamente zerou.”

Quem também teve que se reinventar foi Eduardo Mota, proprietário da Alegremente, um espaço de brincar em Guarulhos, na grande São Paulo. Ele investiu R$ 150 mil para abrir a empresa em agosto de 2019 e o negócio estava próximo do equilíbrio financeiro quando a pandemia chegou.

No início da quarentena, em março de 2020, ele criou caixas com brinquedos e atividades para que as crianças pudessem fazer em casa. O negócio foi um sucesso, e a empresa seguiu dando lucro nos primeiros meses.

“Mas aí a concorrência foi copiando, e a demanda diminuiu muito. Só voltei a ter receita em novembro. E janeiro e fevereiro de 2021 foram meses muito bons, mas aí fechou tudo e quebrou minhas pernas”, diz ele.

Assim como Amorim, ele não conseguiu acesso a nenhuma linha de crédito oferecida pelo governo.

“Tentei no Banco do Povo [do estado de SP] e em bancos privados, mas acabou não dando certo. Tudo o que me ofereceram tinha juros muito altos. Tive que vender um terreno, que foi o que me segurou até agora.”

Mota negociou com o proprietário do imóvel que aluga –conseguiu um desconto de 40%– e demitiu as duas funcionárias fixas que mantinha.

Ainda assim, segundo suas projeções, caso as medidas de restrição continuem, ele terá que fechar as portas de seu negócio em junho. “É até quando eu consigo segurar sem nenhum tipo de ajuda.”

As demissões nas duas empresas também estão refletidas na pesquisa do Sebrae.

“No ano passado, 14% das empresas tinham demitido algum funcionário. Agora voltou para 19%. É o maior índice registrado desde o começo, em julho, que foi quando 17% das empresas declararam ter demitido alguém nos últimos 30 dias”, diz Vallim, do órgão.

Outra reclamação constante entre as empresas são o aumento de preços e a escassez de matéria-prima. É o caso de Humberto Gonçalves, proprietário da Tec-Stam, empresa de arruelas e parafusos de São Paulo que existe há 25 anos.

Embora ele tenha conseguido manter seu faturamento e acesso a linha para financiar a folha de pagamento, Gonçalves diz que o preço do aço triplicou no último ano. “Isso quando encontra”, diz.

Ele afirma que chegou a perder contratos por causa da alta do preço e da falta de aço. “Tive que repassar o preço para meu clientes.”

Empresas se unem para enfrentar a crise

A Tarde Online publicou notícia com o título “Empresas se unem para enfrentar a crise”. As dificuldades econômicas impostas pela Covid-19 têm exigido novas maneiras de conduzir os negócios. É preciso adaptar as vendas, diferenciar os serviços e atender a novas demandas. Uma das saídas para empreender diante das adversidades do momento está nas parcerias.

Colaborações visando mais sucesso nas vendas já eram feitas antes do novo coronavírus, mas de uma forma mais pontual, de acordo com a professora e coordenadora do Centro de Empreendedorismo e Inovação (CEI) da Unifacs, Leidiene Queiroz.

‘Com a pandemia, os empreendedores precisaram se reinventar muito rápido. Então, alguns estão se juntando muito nesse sentido de unir forças. Essa junção fortalece o segmento de cada lado’, afirma Leidiene.

Para a analista do Sebrae Fernanda Gretz, esse movimento é uma boa estratégia de potencialização de resultados nos negócios.

‘Além da possibilidade de complementação de produtos e serviços para melhor qualificação da oferta aos clientes, é possível também somar as experiências, habilidades e mercado de clientes e, com isso, ampliar a atuação dos empreendedores envolvidos’, diz analista.

A junção entre concorrentes também pode ser bem-vinda neste momento. ‘Juntos são mais fortes e divulgam melhor seus produtos. Acho que agora todo mundo percebe que não é hora dessa concorrência ‘descontando no palitinho’. Pelo contrário, é pensar em se juntar para enfatizar melhor os produtos, as propagandas e trazer o cliente’, afirma Leidiene.

Entraves e diferenças de interesse podem acontecer nas parcerias. Para que isso seja evitado, as especialistas apontam que é fundamental que os empreendedores se comuniquem com clareza, ordenando suas funções, e se organizem para que, juntos, possam entregar um resultado ainda melhor.

‘É importante estar atento às potencialidades de cada empreendedor e aproveitar ao máximo a habilidade de cada um’, assinala a analista do Sebrae.

Trabalho em equipe

Em março do ano passado, quando a pandemia começou a se alastrar pelo país, a decoradora de festas Mary Carvalho precisou pensar em uma solução para seu negócio diante do cancelamento de eventos.

A saída foi se unir a outros empreendedores na criação da Festa Criativa Delivery, em que o grupo entrega na casa do cliente uma festa pequena, com decoração que cabe no hack da sala, mas completa. Balões, salgados, bolo, doces e picolé estão incluídos no pacote oferecido pela equipe.

A decoradora de festas Mary Carvalho fez parcerias com outros negócios | Foto: Felipe Iruatã | Ag. A TARDE

Além de Mary, que teve a ideia, a parceria é composta por Rafael Carvalho, da empresa de sorvetes e polpas Bengelado; Caliane Diógenes, responsável pelo enchimento de balões; as irmãs Jeane Gomes e Sueide Gomes, que fazem doces e salgados na Ane’s Gourmet; e as boleiras Aline Grillo e Tainan Lopes.

A cooperação entre eles foi tão bem-sucedida que, depois dos primeiros meses difíceis da pandemia, a equipe está mais atarefada do que nunca. As encomendas foram aumentando e, hoje, por mês, entregam cerca de um pedido por dia. ‘Somos um incentivando o outro e a parceria vai de vento em popa’, declara Mary.

A amizade entre a assessora de imprensa Luciana Amâncio, empreendedora na Comunicando com Amor, e as publicitárias Flávia Ataíde e Louise Cardeal, donas da empresa de estratégia digital Imagina, já unia os dois negócios há um tempo, principalmente na troca de indicação de clientes.

Mas foi na pandemia, com as coisas acontecendo principalmente nos ambientes digitais, que as amigas decidiram firmar de vez a parceria juntando o trabalho das duas empresas num mesmo produto, que une a assessoria com a presença nas redes.

‘Estamos o tempo inteiro as três para poder engrenar e funcionar cem por cento. Isso ajuda ainda mais o cliente porque ele tem duas linhas de trabalho ao mesmo tempo. A gente consegue que ele cresça mais, e para nós é vantagem porque oferecemos algo juntas que não é oferecido por outros profissionais’, afirma Luciana.

‘Trazemos algo completo juntas. A gente não conseguiria oferecer o que Luciana oferece sozinhas, nem ela conseguiria oferecer o que conseguimos só’, completa Louise.

Força do coletivo

Na N’Black, localizada no primeiro piso do Shopping da Bahia, estão reunidas 14 diferentes marcas que vendem desde óculos de sol e de grau até bonecas de pano pretas. Najara Black, dona da marca de moda masculina e feminina que dá nome ao espaço, tem reunido desde o início deste ano afroempreendedores de ramos diversos na loja colaborativa.

Dividir o local com outros empreendedores é uma oportunidade de alugar um espaço bastante movimentado e que considera estratégico para as vendas. Outra vantagem que observa é a circulação de dinheiro entre os negócios. ‘Na loja colaborativa a gente vende no coletivo. Há uma grande troca de clientes’, diz.

Najara, que empreende desde 2005, já trabalhou apenas pela internet, teve loja sozinha e exibiu suas peças em showroom. Acredita que, agora, está em sua melhor versão.

‘Ter um espaço coletivo potencializa mais. Acredito muito no coletivo. Cada marca quando se mistura traz isso: a potência que somos juntos’, afirma.

Se você precisa de orientação e ajuda, escreva para a Conampe: contato@conampe.org.br ou mande uma mansagem por WhatsApp.

Estamos auxiliando MEIs a fazer a sua declaração anual de rendimentos.

A CONAMPE organiza e promove seminários, congressos e outras atividades de ajuntamento e mobilização empresarial em prol das micro e pequenas empresas e microempreendedores individuais no Brasil.
FALE CONOSCO
CURITIBA
R. Padre Anchieta, 2050 - Salas 606 e 711
Bigorrilho - CEP 80730-000 - Curitiba - PR
BRASÍLIA
SHCS CR Quadra 502 - Bloco C - Loja 37
Asa Sul Brasília /DF - Tel. (61) 3246-9297
SIGA NAS REDES