CONFEDERAÇÃO NACIONAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E DOS EMPREENDEDORES INDIVIDUAIS

NOTÍCIA

Momento é propício para novos negócios

Uma empresa pode ser tão grande quanto os sonhos de seu fundador, e o momento vivido pelo Paraná é propício para novas iniciativas. Essa foi a mensagem que transmitiram três dos mais bem-sucedidos empresários paranaenses em encontro em Curitiba, na semana passada. Miguel Krigsner, fundador do Grupo Boticário; Wilson de Lara, membro do conselho administrativo da ALL; e Wolney Betiol, cofundador da Bematech, comentaram suas trajetórias profissionais durante o bate-bapo “De Empreendedor para Empreendedor”. O evento foi promovido pela Endeador, ONG de apoio ao empreendedorismo, para marcar o início das atividades da organização no Paraná.

Para Krigsner, o Paraná passa por um momento especial para o surgimento de novos negócios. “Infelizmente, durante algum tempo, nós fomos afugentando qualquer empresário que quisesse se instalar no estado. De repente as oportunidades voltam a acontecer, e o Paraná tem grandes chances, pela qualidade de sua mão de obra, pela qualidade de sua gente extremamente trabalhadora, e acredito que grandes empresas poderão surgir”, disse. De Lara complementou destacando o perfil empreendedor do estado: “Nós temos exemplos claros de resultados de grandes empresas nascidas no Paraná e acho que a gente tem muitas oportunidades pela frente”.

O início

Para Miguel Krigsner, uma das características mais recorrentes no início de um empreendimento é a ausência de planejamento no longo prazo. “Existe o bom senso a te guiar. É uma força que vai conduzindo. Nesse momento, é importante se cercar de pessoas competentes. Depois chega o momento em que você percebe que, para a empresa continuar crescendo, é preciso se organizar”, disse. “Você não sabe até onde vai chegar”, ponderou Wolney Betiol, da Bematech. “Obviamente você sonha ser grande, mas o crescimento acaba sendo uma consequência.”

Importância do capital

“Se em 1990 a gente fizesse todas as contas que fazemos hoje, provavelmente não abriríamos o negócio”, revelou Wilson de Lara, da ALL. Krigsner ilustrou com o exemplo de O Boticário. “A empresa começou com US$ 3 mil. Todo o lucro foi sendo reaplicado no próprio negócio e, com a abertura para franquias, entrou o capital dos franqueados.”

Ética

Por vezes, as grandes empresas são vistas como mais propensas a ter desvios éticos em sua administração. Betiol, entretanto, acredita que uma grande empresa, mesmo ao enfrentar concorrência acirrada, é capaz de manter posturas morais. “Quando estávamos iniciando, falei para meu sócio que, se fosse para jogar o jogo do dedo no olho, não entraríamos.” Para de Lara, a “honestidade tributária” é também um balizador de condutas éticas. “Quando a empresa ainda é pequena, a tendência é ir para a informalidade fiscal, o que impede o desenvolvimento da companhia.”

Concorrência

Competir com as multinacionais se torna um dos maiores desafios para as empresas em ascensão. Administrador de uma empresa de tecnologia, Betiol contou que a solução foi estabelecer alianças com as gigantes do mercado. “Nossos primeiros clientes foram justamente HP, Unisys e IBM. Isso nos forçou a entender as exigências destas empresas e aprender com elas. Quando as grandes se perdem, a gente entra no vácuo.” Para enfrentar a concorrência internacional após a abertura da economia, nos anos 1990, a estratégia de O Boticário foi investir em embalagens e embarcar em joint ventures, contou Miguel Krigsner.

Sustentabilidade

As ações ambientalmente corretas deixaram de ser uma escolha e passaram a ser obrigação das empresas, segundo consenso dos empresários. “N’O Boticário, as ações começaram há 20 anos, com a criação da Fundação O Boticário de Proteção À Natureza. É uma necessidade que não é puramente empresarial, mas de todo cidadão”, disse Krigsner. Para Betiol, “a própria sociedade pressiona por atitudes sustentáveis nas empresas, mas o governo também tem o seu papel”.

Papel do Estado

Os empresários estão otimistas com os governos federal e estadual que começam em 2011. Mas recomendam uma agenda reformista para fomentar o ambiente de negócios no Brasil. “É preciso mexer no sistema fiscal brasileiro, renovar as estruturas trabalhistas e adiantar a reforma política”, apontou Wilson de Lara. “O governo precisa olhar para dentro de si e tornar a máquina pública mais eficiente. Com isso, cairá a necessidade de capital de custeio, então caem as taxas de juros e os investimentos produtivos são estimulados”, disse Betiol.

A CONAMPE organiza e promove seminários, congressos e outras atividades de ajuntamento e mobilização empresarial em prol das micro e pequenas empresas e microempreendedores individuais no Brasil.
FALE CONOSCO
CURITIBA
R. Padre Anchieta, 2050 - Salas 606 e 711
Bigorrilho - CEP 80730-000 - Curitiba - PR
BRASÍLIA
SHCS CR Quadra 502 - Bloco C - Loja 37
Asa Sul Brasília /DF - Tel. (61) 3246-9297
SIGA NAS REDES